"em que idade do coração se apaga o riso dos homens?"
Al Berto

Wednesday, June 26, 2013

I am...

I am a warrior in a silver armour
I wonder if I can fight all my ghosts
I hear creepy sounds in the battle field
I see soulless people who
I want to save from agony and oppression
I am a warrior in a silver armour

I pretend to be as tall and strong as a giant
I feel an enormous will to live
I touch the open grey sky above me
I worry about what the future holds ahead
I cry because of things past
I am a warrior in a silver armour

I understand those who give up living
I say: "Behold! Stand up! Fight!"
I dream of peaceful warm starry nights
I try to keep things clear
I hope I can fight until I die
I am a warrior in a silver armour
"Pensamentos são como balões de hélio; se não estiverem presos ao chão voam até os perdermos de vista. E se os perdermos de vista acabamos engodados no próprio entendimento."
autora: Ana

Saturday, June 22, 2013

... a gata com as suas três patas desceu as escadas devagar e devagarinho explorando cada recanto como se fosse a primeira vez, esquecendo-se que não fazia ainda duas semanas que descera as mesmas escadas com as mesmas três patas também até ao R/C e aí se deixou ficar junto a uma das portas a miar. Peguei nela. Levei-a para casa. Ela sempre a miar, tentando explicar a sua acção. Eu entendendo tudo mas fazendo de conta que não.

Sunday, May 26, 2013

"Eu não vou a lado nenhum."

Palavras vãs por ti proferidas. Sabia-as mentira. Tão mentira quanto tudo o resto. Quando se anda perdido como tu, num emaranhado de emoções confusas que não se quer para si, cai-se no ridículo de se dizer palavras ridículas: "Eu não vou a lado nenhum."

Nesse exacto momento em que as palavras saltaram dos teus lábios vi-te, perante mim, a desaparecer.

Não volto - não voltas -  nunca mais.

Estas, sim, são palavras que confortam.

Wednesday, January 30, 2013


As vogais
A vogal que eu mais gosto
É a que me dá alegria
Não é o  a, o e e o i
Ou o o e o u, essas podem ir.
Gosto tanto desta vogal
Se fosse poeta fazia tudo a rimar
Amar o Amor e
Pensar na Vida a
Sonhar, Sonhar, Sonhar.
Se fosse pintor, pintava
O Mar,
Um Lar
O Ar
Mas como nada sou
Limito-me a Sonhar, a amara, Pensar e
E
E
E  VOAR!

Como poderia
Como poderia esquecer?
Impossible I say!
O aroma da tua comida
A tua voz,
O teu beijo
E sempre que penso
Sinto o desejo de voltar
Nem que seja um só instante
Mãe! Tirei aquele livro da estante
Perdidamente
Escritas as palavras de outros para ti
São melodias infindáveis.
Dói-me o peito
Dói-me a alma de não puder…
De não dever…
Estás longe e no entanto aqui,
Aqui onde palpita o meu coração…
I’m so sorry my love
So sorry!

Espero
Espero por aqui
As letras, palavras
Coisas que senti.

Espero, vejo assim
Este vazio, um eco
Poesia que senti
E não sei como voltar
Não sei como caminhar
Por aquelas ruas escuras
Duras,
Que fazer para correr?
A tinta sorver?
Almas…
Calmas…
Tudo como se fosse
(Ai tantas vezes!)
Um conto de encantar.